Quinta Feira, 21 de Junho de 2018
Médicos cumprem carga determinada por concurso

Ajustes em toda a estrutura pública, tudo para bem atender a comunidade e gerir com eficiência e resultados.

 Administrador
 26/08/2017|13:23:33
 Saúde

O médico é um dos profissionais mais importantes da estrutura de saúde pública de qualquer município. Ele é o pilar dos atendimentos, procedimentos e programas estendidos aos usuários do SUS, o Sistema Único de Saúde. Um dos problemas crônicos em muitos municípios brasileiros é fazer com que esse profissional, de forma efetiva, cumpra o horário ao qual foi devidamente contratado. Em Ibema, o prefeito Adelar Arrosi (PSDB) promove ajustes em toda a estrutura pública, tudo para bem atender a comunidade e gerir com eficiência e resultados.

Adelar Arrosi herdou a prefeitura no início de janeiro com dívidas, com a máquina publica completamente sucateada, com prédios públicos abandonados e com a folha de salários inchada, todos os servidores com três a quatro férias vencidas. “Gradualmente, as coisas vem mudando para melhor e os moradores passam a confiar no poder público local e a se orgulhar de morar aqui”, diz ele. Uma das medidas adotadas pelo prefeito na área da saúde pública foi ajustar, segundo os respectivos concursos públicos, os horários de expediente dos servidores, incluídos os médicos que atendem em estruturas mantidas com o dinheiro do contribuinte.

Ainda no começo da gestão, Adelar Arrosi determinou que os médicos também cumprissem carga horária segundo o estabelecido no respectivo concurso publico. “No início, houve resistência e precisei agir com firmeza. Mostrar o preceituado em lei, mesmo tratando-se de pessoas esclarecidas relutaram em entender que os deveres e diretos são iguais independente da função exercida”, diz Adelar Arrosi. A situação é tão recorrente na grande maioria dos municípios brasileiros que o ministro da Saúde, Ricardo Barros, passou em âmbito nacional a cobrar mudanças para que o setor possa ser mais resolutivo e eficiente.

O prefeito de Ibema lembra que antes havia casos de médicos que chegavam a trabalhar em quatro municípios no mesmo dia e

as cargas horárias assumidas com as administrações não eram observadas. “O que pode parecer normal para alguns está totalmente desconectado com o que se quer, se espera e se cobra do serviço público. E ainda mais distante do que os cidadãos devem receber de qualquer servidor”. Agora, o atendimento ambulatorial na UBS da rua Paranavaí conta três médicos efetivos. Dois dão expedientes cinco vezes por semana das 7h30 às 11h30 e outro diariamente das 13h às 17h.

A Unidade Básica de Saúde da rua Laranjeiras, é assistida pelo Mais Médicos, do governo federal. Quando o programa dispõe de médicos, o expediente semanal cumprido é de 32 horas. Já no Hospital Municipal, também na rua Laranjeiras, o atendimento é feito por meio de plantões. Há contrato licitatório para urgências e emergências 24 horas por dia. “Austeridade, seriedade e cumprimento das leis estão entre os deveres que os gestores públicos devem observar com maior rigor", segundo o prefeito de Ibema.