Quinta Feira, 23 de Maio de 2019
Sugestão de Adelar Arrosi

Indexar e cumprir lei 13,703/18 pode resolver polêmica da tabela do frete

 Administrador
 24/04/2019|22:08:23
 Gabinete

O prefeito de Ibema, Adelar Arrosi, tem outras atividades além de atuar na vida pública. Ele é agricultor, empresário como profissão e conhece bem os desafios da área produtiva. Uma das atividades nas quais ele investe é o transporte rodoviário, por isso acompanha, desde o início, atentamente as negociações entre caminhoneiros, governo e outras partes na questão da tabela do frete. Diante do que tem visto, Adelar Arrosi elaborou uma sugestão que, caso implementada pelo governo federal, pode pacificar o assunto.

A sugestão foi transformada em ofício e enviada ao secretário especial da Casa Civil, do Governo Federal, Abelardo Lupion. O secretário gostou da proposta e disse que vai apresentá-la ao chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni ainda essa semana.

A proposta apresentada por Adelar Arrosi considera alguns aspectos, como que cerca de 40% da economia nacional girar em torno do transporte rodoviário, que engloba uma cadeia produtiva enorme que sobrevive em função do transporte rodoviário: (motoristas, embarcadores, borracheiros, frentistas, restaurantes, oficinas mecânicas, setor de auto-peças, postos de combustíveis, comércio de pneus entre outros. frisa).

Considera também na fundamentação do oficio, à atividade dos caminhoneiros autônomos e de microempresários estar inviabilizada economicamente. Adelar Arrosi considera ainda que os caminhoneiros não têm a força necessária para negociar e fazer valer os seus direitos (acrescenta a metáfora do Pescoço X Guilhotina) e, por isso, o diálogo e o bom-senso são a melhor saída para o impasse, principalmente diante de um País que precisa tanto voltar a produzir para sair de sua mais profunda crise econômica e política.

 Sugestão

A proposta apresentada por Adelar Arrosi no ofício é de indexar o contido na lei federal 13.703/2018, obrigatoriamente vinculado à emissão do CTR – Conhecimento de Transporte Rodoviário. Assim, o embarcador fica impossibilitado da emissão do CTR no sistema sem o preenchimento com o valor mínimo estabelecido na tabela. “Isso evita problemas que, desde o segundo semestre têm tornado a atividade dos caminhoneiros e das pequenas empresas de transportes ainda mais difícil”, ressalta o prefeito de Ibema.



Confira imagem(ns).