Quarta Feira, 24 de Julho de 2019
 Ibema rescinde contratos com empreiteira que não executou obras

A administração de Ibema publicou termo de rescisão unilateral de quatro contratos firmados no ano passado com a Prado e Prado.

 Administrador
 07/02/2019|19:56:31
 Obras

A administração de Ibema publicou termo de rescisão unilateral de quatro contratos firmados no ano passado com a Prado e Prado, construtora com sede em Cascavel. A decisão foi tomada pelo prefeito Adelar Arrosi depois de irregularidades cometidas pela empresa na execução de obras contratadas pela prefeitura. Os contratos suspensos são os de número 54, 75, 114 e 115. “Todos se referem a obras estruturais importantes para a comunidade mas, devido à falta de compromisso da empreiteira, não havia outra alternativa para a administração senão a rescisão dos contratos”, diz o prefeito Adelar Arrosi.

O contrato de número 54 se refere a obras de pavimentação, infra-estrutura e jardinagem nas ruas Ponta Grossa, Jussara, Cianorte, Rio Grande do Norte e 1º de Maio. O de número 75 se refere a pavimento com asfalto na estrada rural Linha Gaúcha, o de 114 para pavimento com asfalto, infra-estrutura e jardinagem em trechos da avenida Ney Nápoli e nas ruas Toledo e Cascavel e o de número 115 previa recape asfáltico em trechos das ruas São Paulo, Lino Beno Lenz, travessa Guanabara e avenida Ney Nápoli. “Melhorias há muito aguardadas, porque significam melhor organização urbana, mais qualidade de vida para as pessoas e mais desenvolvimento social e econômico ao município”, conforme o prefeito.
 
Razões
Nos quatro termos de rescisão unilateral dos contratos com a Prado e Prado, a administração pública de Ibema apresenta os motivos que levaram a essa atitude. São elas: há atraso demasiado nas execuções das obras por mais que já se tenha por várias vezes aditivado o prazo dos contratos, tendo a empresa iniciado os trabalhos e tendo-os feito de maneira morosa, portanto desaprovadas, não faz sentido adiar a rescisão; justifica-se até mesmo pelo fato de em dezembro de 2018 ter-se feito aditivo por mais 60 dias, e agora em meados de fevereiro ainda nenhuma movimentação houve para vislumbrar interesse da empresa em honrar contratos e concluir suas tarefas, o que leva a considerar até pelo histórico dela em relação à execução dos trabalhos, até mesmo porque houve compromisso da empresa que em se aditivando o contrato o trabalho seria retomado em ritmo a garantir a execução total, o que não aconteceu; assim, não há como dar seqüência ao contrato. E a cláusula terceira afirma que , diante do exposto, dar-se-á por encerrado qualquer vínculo entre a contratante e a contratada. Os termos foram assinados pelo prefeito Adelar Arrosi no último dia 6 de fevereiro.


De imediato o município esta formalizando a notificação da segunda colocada em cada certame para assumir o respectivo contrato, tudo conforme previsto na legislação, informa o Prefeito.